Café Alquimia (Vila Clementino)

Sônia Presta é uma alquimista. Não, não do tipo que transforma metais em ouro, mas do tipo que consegue tornar mais leve a vida de todos ao seu redor.

E seu Café Alquimia é um bom exemplo disso.

 

cafe-5-sonia-2

 

Continue reading “Café Alquimia (Vila Clementino)” »

Encanto Natural (Chácara Santo Antônio)

Que São Paulo é uma cidade cada vez mais verticalizada, todo mundo sabe. Menos simples é entender como um bairro que há quase três décadas aglutina um sem número de empresas de tecnologia, bancos, prestadores de serviços e universidades é capaz de abrigar um espaço tão cheio de vida e tão diferente de tudo o que possa parecer só mais uma loja, mais uma livraria ou mais um café: o Encanto Natural, que é tudo isso além de um local que privilegia cultura, gastronomia, arte e lazer.

 

a mesas

 

Continue reading “Encanto Natural (Chácara Santo Antônio)” »

Flores na Varanda (Vila Romana)

“Há um vilarejo ali, onde areja um vento bom na varanda, quem descansa vê o horizonte deitar no chão… Pra acalmar o coração, lá o mundo tem razão”…

É provável que Marisa Monte esteja falando de um lugar fictício, onde todos são bem-vindos e compartilham as alegrias. Mas poderia muito bem estar falando deste aconchegante lugarzinho na região da Lapa.

 

 

O Flores na Varanda nasceu em 2009 da junção das idéias de Maria Inês Costa – que queria montar uma floricultura – e Deborah Panachão – que sonhava com um espaço cultural onde houvesse um pouco de música, um pouco de literatura, um pouco de arte e muita descontração.

Continue reading “Flores na Varanda (Vila Romana)” »

Nina Becker

Oi Pedro e amigos do Lugarzinho, O meu lugarzinho em SP é o curso de dança no estúdio Totem. Lá, além de ser o estúdio mais bacana de SP (onde grava o Cidadão Instigado, o Arnaldo Antunes e o Jeneci), o lugar é lindo.

 

nina_becker_picnik

 

Continue reading “Nina Becker” »

Madhu (Consolação)

Pode existir alguma coisa mais esquisita que um fast-food indiano na rua Augusta? E mesmo que as intenções de nosso blog sempre sejam a de fugir de tudo que lembre um fast-food, eu tinha que falar de lá. Por quê? Simples: porque é muito bom.

Na verdade, de fast-food o Madhu só tem a aparência e o esquema de trabalho, além de um pouco da rapidez. Como nas lanchonetes, as opções são oferecidas em 12 opções de combos que incluem o prato principal e os acompanhamentos que você escolhe em um cardápio muito detalhado e pacientemente explicado pela simpática Joselane. Metade deles leva frango ou carne e a outra metade é vegetariana. Também como nas lanchonetes, paga-se antes, busca-se o prato em bandejas de plástico e o leva para uma mesinha simples. E as semelhanças terminam aí.

Madhu 1