Madeleine (Vila Madalena)

A rua Aspicuelta é famosa na Vila Madalena: concentra bares, empórios, lojas e restaurantes diversos, para públicos, paladares e ouvidos de todos os estilos.

Caminhando à noite na parte da rua que desce (se você estiver vindo da Fradique Coutinho) ou na parte que sobe (se vier da Medeiros de Albuquerque), ao se aproximar do número 201 você ouvirá timbres diversos: palhetas, contrabaixo, saxofone, pratos de uma bateria, talvez as teclas de um piano. Uns passos a mais e você se sentirá tão envolvido por aquele som e pelo local de onde ele vem que será impossível recusar a proposta para que a sua noite comece ali, no Madeleine.

 

Madeleine fachada tarde

 

Continue reading “Madeleine (Vila Madalena)” »

Boteco do Vinho (Campos do Jordão)

Os bares e restaurantes de Campos do Jordão podem ser divididos em duas categorias: os que vivem lotados de turistas e os que pouca gente conhece. Quase sempre, estes são muito melhores.


01 deck

 

Continue reading “Boteco do Vinho (Campos do Jordão)” »

Barnaldo Lucrécia (Paraíso)

O comercial de TV pergunta o que me faz feliz. Penso em amor e boa música e vou com os Titãs: quero comida, diversão e arte. O fato é que há quase 20 anos um lugar diferente foi incrustado bem no meio do Paraíso, e vejam a sutileza do trocadilho: conta-se que ao final do dia, seu criador postou-se a certa distância para admirar a obra, e viu que aquilo era muito bom! Tão bom que “pegou”, se expandiu e vem encantando gerações, algo quase hereditário; uma celebração em que as pessoas desconhecidas das mesas ao lado em pouco tempo parecem ser tão familiares.

 

Fachada 01

Continue reading “Barnaldo Lucrécia (Paraíso)” »

Promoção Cinema na Mesa

O Lugarzinho, em parceria com o restaurante Estação Marupiara, em Joaquim Egídio, vai sortear um jantar para 2 pessoas na edição de aniversário do projeto Cinema na Mesa, que acontecerá no próximo dia 3/10, quinta-feira. O evento contará com a exibição do filme “Um Sonho de Amor” e com um jantar temático (incluindo entrada, prato principal e sobremesa) inspirado na obra.

 

Marup 3

Continue reading “Promoção Cinema na Mesa” »

Recanto das Tartarugas (Guarujá)

A única coisa chata de morar em São Paulo é essa saudade danada do mar. O resto a gente aguenta e mesmo com toda correria, toda fobia e toda “pirataria”, a gente vai levando.

Mas a saudade do mar é que mata. Por isso, de vez em quando e sempre que possível, é preciso descer a serra, dar um mergulho numa praia qualquer e depois ficar horas olhando para o mar, vendo o sol refletido nas águas e assistir pacientemente as ondas se quebrarem na praia. É uma questão de recarregar as energias. Terapêutico, sei lá.

 

tartaruga 06

  Continue reading “Recanto das Tartarugas (Guarujá)” »

Cafezal em Flor (Cambuí)

Um casarão rústico iluminado apenas por velas. Uma garrafa de vinho tinto na temperatura exata. Uma fumegante panela de fondue. Uma banda tocando MPB ao fundo. Ninguém sai imune do Cafezal em Flor.

 

 

A idéia sempre foi essa. Fundado em 1995 por Eliseu Queiroz, o bar/restaurante foi inspirado em uma antiga casa de fazenda onde passou sua infância, buscando trazer para a região mais agitada da cidade um pouco do espírito da roça – incluindo aí as modas de viola que então ouvia por lá.

 

Continue reading “Cafezal em Flor (Cambuí)” »

Deck (Santa Branca)

Uma coisa bacana de viajar pelo interior do estado é que a gente descobre lugarzinhos que só podem existir em determinadas cidades, cada qual com um estilo bem característico, aproveitando o que as regiões oferecem de melhor.

Um desses lugares é o Deck, que já foi conhecido como Deck Beira-Rio, e que fica em Santa Branca, num cenário inacreditável à margem do rio Paraíba do Sul, que passa por ali intensamente verde, limpo e repleto de peixes.

Continue reading “Deck (Santa Branca)” »

Viva Vinhos (Santos)

Diz-se que o vinho é o melhor lugar do mundo para se encontrar com os amigos. Isso deve ser uma verdade histórica, pois nos escritos da humanidade não parece haver registro de uma grande festa sem vinho e até mesmo Cristo deu um jeito de fazê-lo da água para que as bodas de Caná prosseguissem devidamente animadas.

O vinho não sai de moda, principalmente porque todo ano tem aquele friozinho e também por causa dos casais, para quem alguns goles do rubro líquido costumam produzir efeitos semelhantes aos das noites de lua cheia.

Continue reading “Viva Vinhos (Santos)” »

Guadalupe (Santos)

Todo ano, na primeira semana de novembro, eu quero estar no México. Na maioria das outras também, mas esta é especial, por causa do “Dia de los Muertos”. Em qualquer lugar do mundo, esta é uma data especial para homenagearmos os entes queridos que se foram. No México também. A diferença é que lá eles fazem isso com uma festança daquelas!


Guadalupe 2
A data envolve uma mistura de tradições astecas e maias com ritos católicos e celebra uma espécie de comunhão com os mortos.Os festejos começam um dia antes e terminam um dia depois! Os cemitérios são enfeitados com velas e as pessoas sentam-se entre as lápides e “comem com os mortos”. Não faltam pratos típicos, o tradicional “pan de muerto”, as caveiras de chocolate, muita música e, claro, muito tequila. Tudo dando forma à idéia de que devemos “comer, beber e gozar a vida, porque a morte é certa”.

Dita Cabrita (Pompéia)

Quando eu tinha menos de um ano de idade eu morei na avenida Pompéia. É claro que eu não lembro de nada, mas alguma coisa deve ter ficado, porque tudo ali me traz uma agradável sensação de tranqüilidade e aconchego.

Mas meus amigos dizem que isso não passa de frescura, pois eles nunca moraram nem perto da Pompéia e sentem exatamente a mesma coisa. Ou seja, o bairro é assim para todo mundo.
De um modo ou de outro, no meio de todos aqueles sobrados, das ruas de paralelepípedos e dos vizinhos que se conhecem, existe um lugarzinho ainda mais acolhedor que os outros: o Dita Cabrita.
Dita 1